« links for 2007-03-08 | Main | Zefa, e se o Sinatra morrer? »

08-03-2007

Mulher, a rainha do lar, por Nicolas Rouquette


Encontraram-se em uma festa em Paris.  Ela era lingüista, tinha vinte e poucos anos, ele era argelino-parisiense.  Ela tinha doutorado; ele era trotsquista, ateu e bebia.  Beberam juntos até o esquecimento.  Acordaram juntos sem saber aonde, nus, com enxaqueca, felizes.  Ele gostou do jeitão dela, não reclamava, era smples, sem frozô de modas, tinha um sorriso lindo, olhos intrigantes, cor de azeitona verde.  Por ela, ele era ótimo.  Aprendia o francês com ele, ele cozinhava bem, era moreno.  Ela tinha horror ao branco barata descascada de seus compatriotas.

Foram juntar os trapinhos na Bavária, a terra do Rei Ludwig, cuja loucura pela arquitetura lhe custou o trono mas legou uma fortuna em turismo aos alemães da Bavária.  Viviam em um apê espremido, no quarto andar de um prédio sem elevador e quase que sem nada de mobília.  Ela saía de manhã para refletir sobre as línguas do mundo, ele levava as duas crianças à escola, fazia café, fumava, lia seu jornalzinho comunista e se impacientava como se impacientam homens presos dentro de casa.  Ele não conseguia aprender o alemão.  Não conseguia emprego.  Mal conseguia dirigir.

Era dedicado.  Já disse que cozinhava bem?  Ela era rainha do lar.  De tarde saíam pra dar um rolé na cidadezinha universitária, onde ele não fazia tanta diferença; havia jovens com cabeleiras magenta, azuis, raspadas, encaracoladas, verdes, só  não havia nenhuma menção ao nazismo, que na Alemanha é crime e tal.  É sério.

Fim de semana chegavam os amigos, outros professores universitários, outros doutorandos, ele havia feito os quitutes e todos enchiam a cara.  Uma vez há muito tempo, li que existe uma indisposição genética relativa ao álcool.  Fico pensando se a proibição feita pelo profeta tinha a ver com isso.  Já disseram, pessoal lá da terra deles, que eles não sabem beber.  Quem não sabe beber não precisa aprender, digo eu.

Ele bebia, ficava contente, fazia piadas, de repente fechava o tempo.  Fosse piada sobre o time de futebol, sobre a França, sobre o Corão do qual ele fazia pouco, fosse o que fosse, bêbado não precisa de motivo lógico.  Ficava fulo, gritava e quando menos a gente se dava conta já tinha enchido sua esposa de bolachas.

Virou uma rotina.  Ela teve que cancelar conferências por causa de olho roxo.  Ela resolveu expulsá-lo de casa.  Ele voltou.  E voltava.  E dava nela.  A mulher que me dissera quando jovem que as mulheres precisam de homens como peixes precisam de bicicletas me disse na nossa última conversa ao telefone:

--Às vezes os peixes precisam de bicicletas, sabe?

--Não sei.  Não sei, não.

Mal nos falamos hoje em dia.  Tenho medo do que vou saber.  Tenho pena da situação, dela, dele e dos meninos, dois.  Detesto bebida, não suporto alcóolatra.  Já vi muitos casamentos destruídos, pessoas em programas, dependentes, co-dependentes, é uma droga literalmente.  Minha amiga, ficar em um  casamento assim é uma roubada.  Pule fora enquanto está viva.  Pule fora, camarada.International_womens_day07

Um bouquet para todas as mulheres neste dia 8 de março de 2007.  Espero que um dia não sejamos oprimidas e que não venhamos a ser opressoras.

Até+!

Este conto faz parte da blogagem coletiva organizada por Denise Arcoverde no blog Sindrome de Estocolmo.


Sphere: Related Content

TrackBack

TrackBack URL for this entry:
http://www.typepad.com/services/trackback/6a00d8341caa9f53ef00d834efed7753ef

Listed below are links to weblogs that reference Mulher, a rainha do lar:

Comments

Maharani

Cheguei aqui pela blogagem da Denise.
Estou pasma, é sério?
Não deixe de falar com sua amiga. Às vezes, uma palavra pode fazer a diferença. Quem sabe ela não acorda enquanto há tempo?
:(

Ana Paula

Não dá pra entender mulheres que são cultas e esclarecidas seguirem vivendo uma história dessas...
Eu desejo força para que elas consigam, de alguma forma, sair desta prisão.

Cris S.

Ei pessoal, a Tina falou que é "apenas" um conto!

[é um conto, Tina?]

tina oiticica harris

Ora, Cris S. é um conto, uma narrativa, em sua forma. Você quer saber se é verdade? Conheço muitas mulheres presas em relações de co-dependência mesmo nos dias de hoje, de divórcio drive-by. A co-dependência não tem a ver com a cultura das pessoas. É uma questão de ter vontade e apoio para deixar pra lá o outro, geralmente o homem, que bebe, que trai, através de mulheres de verdade ou virtuais.

Gilberto Gil já cantou sobre a necessidade de aprender a só ser. É difícil. Obrigada pelos comentários, Cris S. Ana Paula e Maharani.

Denise Arcoverde

Excelente, Tina! uma dessas histórias que se repetem pelo mundo afora! parabéns pelo texto e orbigada por ter participado da nossa blogagem!

Beijo!

The comments to this entry are closed.

Google

Twitter Updates

    follow me on Twitter

    Amigos do Universo Anárquico℠

    Foto Flickr

    • Pedra do Arpoador,Ipanema, Rio de Janeiro
      www.flickr.com
      This is a Flickr badge showing photos in a set called Pedra do Arpoador,Ipanema, Rio de Janeiro. Make your own badge here.

    Last.FM

    Universo Anárquico℠ Blog Roll